23/10/2010

A Arte de Nadir Afonso: o Ato Irrefletido e o Ato Reflexo


E tal como grande parte da matemática é ilusória, também as cidades de Nadir são irreais e imprecisas ao olho do comum turista ou morador, pois que estas fogem da cidade real (pormenorizada). Os quadros assumem uma matemática elegante na forma, sustentada por uma arquitetura portentosa.

Em Nadir, a matemática reforça o que costumamos pensar símbolo; reforça o objeto no que pensamos compreensível pois o revela mais real; reforça o compreensível em objeto que surge gradual. Coexistem, assim, matemática e sentir numa harmonia que, para Nadir Afonso, se lhe revela geométrica.